RSS Facebook Twitter Blog
Revista Luz & Cena
Opiniões, ideias e novidades sobre tecnologia, música e áudio
Saudades da TELERJ
Postado por Miguel Ratton em 26/03/2012 - 14h16
Eu sou um grande entusiasta das novas tecnologias e inovações, sobretudo quando elas produzem ganhos efetivos para usuários e a sociedade em geral. Existem vários exemplos, como os aparelhos de GPS, as cirurgias por videolaparoscopia e os automóveis flex. Mas há casos que realmente não entendo porque não funcionam como poderiam (e deveriam). Não pela tecnologia em si, mas pela forma como ela está sendo oferecida e aplicada. Um dos casos mais decepcionantes para mim é a telefonia celular.

As empresas operadoras de telefonia celular são capazes de vender aparelhos que fazem de tudo, e cada vez melhor, desde a captura de fotos digitais e reprodução de MP3 aos aplicativos de jogos e outros utilitários mais interessantes. Mas essas mesmas empresas não conseguem garantir uma qualidade razoável de áudio em todas as ligações! Quantas vezes atendemos uma chamada e temos que pedir para a pessoa repetir a frase porque está "falhando" ou "picotando"? E isso acontece principalmente quando temos que falar com os atendentes nos call centers das próprias empresas.

O atendimento adotado por essas empresas, chamadas de empresas de tecnologia, parece ser ainda realizado com sistemas baseados no velho MS-DOS, sem conexão em rede e sem recursos multitarefas. Você liga para o número de atendimento e quando seleciona a opção para que um humano lhe atenda, este invariavelmente lhe pergunta o número do seu telefone. Se você é transferido para outro atendente, terá que informar o número do seu telefone mais uma vez. Será que eles não podem usar o próprio sistema identificador de chamada? Outro dia, entrei em contato com a minha operadora para tentar fazer uma alteração de plano. Passei por três atendentes e todos me perguntaram o número do meu telefone. Levei quase meia hora grudado ao aparelho, a bateria acabando, e não consegui resolver nada. Fez-me lembrar dos idos da década de 1980, quando ficávamos mais de uma hora na fila do atendimento da TELERJ para resolver algum problema. Havia uma carência de telefones, é verdade, e o serviço era ruim. Mas o preço era ridiculamente barato se comparado com o que pagamos hoje.

Não sou especialista em marketing e negócios, mas acho que a maioria das empresas grandes perde facilmente o foco na satisfação do cliente. São gentis para oferecer vantagens a novos clientes, mas não dão a mínima importância para aqueles que lhes têm garantido o faturamento de ontem e de hoje. Estou na mesma operadora há oito anos, mas nunca consigo as mesmas condições de quem está entrando agora. Geralmente só me oferecem vantagens que não preciso.
Comentários (0)
Nenhum comentário foi publicado até o momento.
Deixe seu comentário
nome
comentário1000 caracteres disponíveis
+ Notícias
Autor: Fábio Henriques
(196 páginas)
de R$ 54,00
por R$ 50,00
* válido até 15/12/2017
Pronta entrega
 
Autor: Roberto Gill Camargo
(140 páginas)
de R$ 40,00
por R$ 20,00
* válido até 15/12/2017
Pronta entrega